Jump to content
britnneybitch

As diretoras de 'Framing Britney Spears' reagem ao discurso da Britney ser contra o documentário e a importância de sua indicação ao Emmy.

Recommended Posts

Samantha Stark e a jornalista Liz Day refletem sobre o cálculo cultural desencadeado pela batalha legal da estrela e como seu documentário está impulsionando a conversa "sobre sociedade, gênero, poder, dinheiro, fama e nosso sistema legal."

 

Dizer que o The New York Times Presents: Framing Britney Spears causou um rebuliço quando estreou em 5 de fevereiro seria um eufemismo grave. O documentário Hulu / FX, que investiga a tutela da lenda do pop e sua luta para se libertar dela, enviou ondas de choque pela Internet e além. Quase da noite para o dia, #FreeBritney se tornou um assunto familiar nas conversas. Justin Timberlake, Perez Hilton e Sarah Silverman pediram desculpas por seu comportamento passado e piadas dirigidas a Spears, enquanto outros refletiram sobre a cultura misógina da mídia que abriu o caminho para o que ela chamou de um acordo legal abusivo. Ainda assim, a diretora Samantha Stark e a editora sênior Liz Day, que fizeram reportagens subsequentes no The New York Times, insistem que o filme deles foi apenas o começo. Em uma conversa com o THR , eles discutiram como criaram um dos documentários mais comentados do ano e o significado de sua indicação ao Emmy como especial de doutor excepcional.

 

 

Framing Britney Spears não é um documentário típico, pois segue um caso que ainda está em andamento. Como você vê seu projeto se encaixando em uma história maior que está em andamento?

 

SAMANTHA STARK: Algo que realmente me impressionou quando Britney falou [no tribunal] em 23 de junho é que uma das razões pelas quais ela não disse isso antes foi que ela achava que ninguém iria acreditar nela. O que espero que nosso documentário e nossa reportagem estejam fazendo é reforçar sua história com fatos, com cuidado e com um novo ponto de vista. Em documentos judiciais confidenciais, vimos que ela vinha dizendo [queria encerrar sua tutela] desde pelo menos 2014. Acho que Britney não é uma vítima, não é uma pessoa pequena. Acho que ela teria se apresentado e dito isso sem o documentário. Mas espero que o documentário tenha mostrado a ela que as pessoas acreditaram nela, porque fez com que muitas pessoas ao redor do mundo se manifestassem e a apoiassem.

 

LIZ DAYQuando começamos a entrar em produção no verão passado, sabíamos que queríamos olhar para trás e ver como Britney chegou aqui, mas não tínhamos certeza do que iria acontecer na batalha da tutela. Pouco depois de começarmos, seu advogado nomeado pelo tribunal começou a apresentar essas grandes bombas no caso da tutela, dizendo que ela queria mais transparência, ela queria que seu pai saísse. Tivemos a sorte de estar lá naquele momento para capturar esse desdobramento.

 

Qual foi o elemento mais surpreendente da resposta massiva do público que o filme recebeu?

 

STARK: O elemento mais surpreendente são as pessoas percebendo que estavam erradas em julgar Britney e [agora] acreditando nela. Eu realmente acho que a misoginia que mostramos no documentário está conectada a onde ela está hoje. Tem sido fácil para as pessoas zombarem de Britney, e isso torna mais fácil haver esse silêncio em torno da tutela. Em nosso primeiro encontro, concordamos que nunca zombaríamos de Britney Spears, e todos levamos isso a sério. É incrível que agora o mundo também esteja levando isso a sério.

 

DAY: Outra coisa surpreendente é o amplo apelo dessa história. Quando falamos sobre isso no The New York Times , algumas pessoas achavam que havia muita coisa acontecendo no mundo - por que as pessoas deveriam se preocupar com um caso de celebridade? Isso realmente me frustrou, porque para mim, sempre foi muito mais do que uma história singular. Era uma história sobre sociedade, gênero, poder, dinheiro e fama e nosso sistema jurídico. Qualquer um de nós poderia um dia ficar sob uma tutela. Pareceu claro para mim por que isso seria amplamente atraente, mas nem todos se sentiam assim. Por isso, foi surpreendente ver meu cabeleireiro falando comigo sobre isso, o pai de 76 anos de meu amigo falando comigo sobre isso, pessoas de todas as origens, idades e situações diferentes se interessando por essa história.

 

#FreeBritney teve um papel significativo na percepção pública do caso, assim como a conta de Britney no Instagram. Como você incorporou a mídia social à sua narrativa?

 

STARK: É uma faca de dois gumes, porque muitas pessoas chegaram ao caso de Britney olhando para seu Instagram e dizendo: "Oh, ela parece louca, é por isso que ela está nesta tutela", sem entender o que é uma tutela e como a mídia social pode ser enganoso - particularmente com o relato de Britney, já que seria estranho pensar que ela o controla sozinha quando não pode controlar coisas básicas como com quem interage, onde mora, o que faz. É também a única janela que temos [em sua vida]. Olhei todos os posts de 2015 até agora, e foram alguns posts lindos com os filhos dela e com ela rindo e fazendo piadas que incluímos. O que percebemos quando conversamos com seus fãs é que muitos deles estavam trazendo questões importantes sobre o sistema de tutela.

 

 

Em 17 de julho, apareceu um post no Instagram de Britney afirmando que ela “não gostou da maneira como os documentários trazem à tona momentos humilhantes do passado”. Como você lida com isso em seu relatório?

 

STARK: Enquanto estávamos fazendo o filme, conversamos muito sobre traumatizar Britney e sua família mostrando esses momentos. Parte do motivo pelo qual é chamado Framing Britney Spears é que existem essas molduras de fotos que foram humilhantes para ela. Achamos que era realmente importante puxar para fora do quadro porque muitas pessoas tinham todas essas suposições baseadas em um quadro, uma imagem estática que viram. No final, sentimos que tínhamos que colocar alguns deles porque queríamos que as pessoas tivessem mais contexto. Sempre tentamos fazer com que ela respondesse [aos paparazzi] se pudéssemos. Ela merece 100 por cento estar furiosa por ainda estarmos olhando para aquelas fotos, porque é ridículo que ainda estejamos olhando para elas, e elas não deveriam estar lá em primeiro lugar. Por mais que eu queira me explicar para ela, eu entendo totalmente de onde ela está vindo.

 

Qual foi sua reação à indicação ao Emmy?

 

DAY: Estamos incrivelmente honrados ... mas também, não é sobre nós. Isso é sobre a história. Estamos muito empenhados em continuar a seguir esta batalha da conservação, pois ela está esquentando e se desenvolvendo mais rápido do que nunca. Tentamos, por meio de artigos de acompanhamento, ser um farol de informações para que o público fique a par do que está acontecendo com o caso de Britney.

 

STARK: A ideia de se envolver em uma competição baseada em sua história é difícil porque não queremos que pareça uma exploração. Quando as indicações ao Emmy foram anunciadas, era um dia antes de Britney ter outra audiência no tribunal em 14 de julho, e ela ainda está na mesma situação em que estava antes do lançamento do documentário. Estamos extremamente comprometidos em seguir adiante porque queremos ter certeza de que continuaremos cobrindo a história com precisão e a manteremos sob os holofotes.

 

O que o caso de Britney revela sobre o sistema de tutela em geral?

 

DAY: Uma grande lição foi como a letra da lei pode diferir do que está acontecendo no local. Você pode vasculhar os registros do tribunal e dizer que o conservador de Britney só tem permissão para fazer X, Y e Z de acordo com o estatuto da Califórnia. Mas o que é legalmente permitido acontecer e o que de fato está supostamente acontecendo pode ser bem diferente. Se isso está acontecendo no caso de Britney, o que está acontecendo com os milhões de outras conservadorias em todo o país?

 

STARK: As conservadorias não levam em consideração a coerção, a dinâmica do poder, a manipulação emocional. Britney diz: “Eu me senti forçada a entrar neste estabelecimento de saúde mental”, e o outro lado está dizendo que ela consentiu em ir para lá. Britney assinou um formulário de consentimento para entrar neste estabelecimento de saúde mental? Talvez ela tenha. Mas não leva em consideração a possibilidade de retaliação caso ela não assine. Com #MeToo, temos falado muito sobre como se alguém tem poder sobre outra pessoa e não se opõe a algo, não significa necessariamente que está consentindo. Toda esta tutela foi apresentada como voluntária e estamos tentando descobrir o que isso significa no mundo da tutela porque cada um tem uma definição diferente. O que espero que a indicação ao Emmy mostre quantas pessoas se importam com Britney.

 
Link to post
Share on other sites
1 minuto atrás, britnneybitch disse:

De nada amor, ainda fiquei meio assim, pq nem ficou todo bom em algumas partes, mas em modo geral dá pra se compreender

Ta bom sim, deu pra entender tudo 😘 

Link to post
Share on other sites

Bom que elas não se afetaram com a narrativa do Instagram. A Britney tem o direito de não gostar (apesar de parecer nem ter visto), mas é um caso praticamente público, não tem como esconder o que aconteceu em 2007. Elas fizeram um bom trabalho humanizando Britney, quem sabe um dia ela entenda e consiga aceitar o passado.

Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Dragon disse:

Bom que elas não se afetaram com a narrativa do Instagram. A Britney tem o direito de não gostar (apesar de parecer nem ter visto), mas é um caso praticamente público, não tem como esconder o que aconteceu em 2007. Elas fizeram um bom trabalho humanizando Britney, quem sabe um dia ela entenda e consiga aceitar o passado.

Mas ela não falou no vídeo ! A legenda que foi colocada foi a Cassie ! Acho que colocaram a legenda daquela forma pra tirar a credibilidade do Doc na época pq estava em alta. Acredito que ela tenha visto sim , e mais o Doc foi um dos principais motivos das pessoas ficarem ao lado dela, e tenho certeza que ela sabe disso.

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...



×
×
  • Create New...